QUAL É A RELAÇÃO ENTRE MODA E SAÚDE PARA A GERAÇÃO Z

23

OS PADRÕES DE BELEZA NAS REDES SOCIAIS VOLTAM A IMPULSIONAR OS DISTÚRBIOS ALIMENTARES COM O COMEBACK DOS ANOS 2000 NA MODA. 

Com a volta dos anos 2000 na moda, surge uma grande preocupação que percorre em discussões nas redes sociais. A cintura baixa retrata uma possível “volta” do culto pela magreza excessiva, indicando a romantização pelos distúrbios alimentares. Mas por que a moda sempre está relacionada com padrões de beleza impossíveis de serem conquistados? 

Hip dips, gap legs, barriga seca, rosto e corpo com traços finos e majoritariamente menores são uma das poucas tendências vigentes a voltarem em 2022. Como um grande alvo de tendências, as irmãs Kardashian Jenner inclusive já começaram a apostar nessa volta ao natural e magro, um exemplo é Kim Kardashian, ex-mulher do artista Kanye West retirar um pouco de seu enchimento nos glúteos. Sua aparição na mídia com o corpo aparentemente menor causou várias polêmicas sobre a possível volta dos padrões de beleza excessivamente magros, assim como era nos anos 90 onde notoriamente víamos modelos de passarela muito abaixo de seu peso, visando o estilo “Heroin Chic” com Kate Moss. 

A consequência em busca do corpo ideal, idealizado pela indústria da beleza e da moda, nos faz rever ao longo da história, o conceito de beleza que tornou-se um dos principais instrumentos de controle usados pela sociedade capitalista patriarcal, limitando a liberdade humana, principalmente feminina. A famosa cultura da padronização seletiva da mulher para o homem hétero cis. Nas revistas de moda, anúncios e publicidades do Instagram, alcançar o sucesso e felicidade remete-se a corresponder um padrão específico de beleza, nem que, para isso, ela precise se submeter a estilos de vida específicos e destrutivos. Hoje em dia, algo normalizado entre as gerações Millennial e Gen Z. 

Os padrões de beleza, nada mais são que conjuntos de normas estéticas que desejam formatar a aparência das pessoas, mais precisamente, seus corpos. Apesar de haver hoje em dia um grande debate sobre a importância da diversidade e inclusão, a beleza “quase-perfeita” (branca) é influência das redes sociais praticamente globalizando as milhares de influenciadoras que vendem corpos esculturais e rostos perfeitos contribuem para uma uniformização.

Desde os 80 até hoje, a hipervalorização do estético acima de tudo pode levar a consequências drásticas, geralmente ainda na fase da adolescência. A busca por um corpo perfeito pode ocasionar até mesmo problemas de saúde mental, segundo estudos publicados na revista científica Frontiers in Psychology. Tendo em vista que terapias psicológicas não foram suficientes para a resolução da maioria dos distúrbios alimentares, tratamentos psiquiátricos e pedagógicos também devem ser associados para a reversão do problema. A Organização Mundial da Saúde também afirma que cerca de 70 milhões de pessoas sofrem com distúrbios alimentares no mundo, sendo a incidência muito maior entre mulheres: entre 85% e 90% das vítimas dessas doenças, o que reforça o problema social e sexista da idealização dos padrões de beleza.

Muitas vezes, a pressão por um modelo de ‘vida saudável‘ forçada por influenciadores tem como base uma das mais operantes instituições de opressão no mundo: a gordofobia. Se a obesidade é, por um lado, um problema de saúde pública, a pressão por um corpo perfeito e seus impactos na saúde mental das pessoas é tão grave quanto.

Dieta low carb, dieta sem glúten, dieta do jejum intermitente, dieta Dukan, dieta paleolítica, dieta DASH, dieta genética e dieta cetogênica, entre outras.…há uma vasta opção de dietas na internet mas que não foi feita para todos. Podem até te trazer resultados, mas talvez um emagrecimento mal planejado acarretará em diversos danos à sua saúde. Se sua vontade e intenção é emagrecer por saúde, procure um profissional que te auxiliará da melhor forma. O grande perigo das dietas está relacionado à possível falta de nutrientes para o seu organismo, prejudicando o funcionamento do organismo a longo prazo. Dietas loucas criadas por pessoas sem capacitação podem levar à fraqueza, perda de massa muscular, desidratação, cansaço, aumento de colesterol e doenças cardiovasculares, entre muitos outros problemas, inclusive transtornos de imagem como a famosa e temida anorexia, bulimia, ortorexia e vigorexia. 

Texto: Caroline Menis