O novo conceito GREEN BEAUTY

120

Transparência, diversidade e meio ambiente. A busca por um lifestyle mais natural e sustentável chega ao universo da beleza que promete uma tendência de comportamento que une 100% da natureza + cadeia de produção com responsabilidade social. 

Por: Caroline Menis 

Foto: Min An 

Os ingredientes naturais estão cada vez mais em ascensão em produtos menos agressivos a natureza e biodegradáveis. Os produtos com base natural, geralmente não derivados do petróleo e conservantes tóxicos em sua composição, são características pontuadas neste novo conceito Green Beauty que ainda é um mercado em expansão, revelando benefícios que os cosméticos sustentáveis possuem em contato com a pele, ajudando também pessoas com sensibilidades e alergias.

O termo “Green Beauty” designa-se a tradução literal de beleza natural, já que, os insumos são extraídos direto da natureza para a produção destes cosméticos, não contendo nenhum tipo de ingrediente sintético, geralmente produzidos de forma artesanal e além disso, com consciência ambiental e animal pois, não são produtos testados em animais (cruelty-free). 

Porém, ainda que contribua ao meio ambiente, é necessário nós, consumidores, prestarmos atenção aos rótulos e certificações. O novo conceito ainda é escasso no mercado beauty e pelo menos no Brasil, ainda não há legislações específicas para os cosméticos naturais. Ao falarmos sobre produtos naturais, entramos na questão de conservação microbiológica pois estes ingredientes vindos da terra estão sujeitos a uma proliferação maior de microorganismos. 

Entretanto, o ativo pode ter origem natural mas nem sempre trará benefício social e ambiental. Há casos que a extração de certos óleos e plantas podem causar um vasto desmatamento ao Ecossistema ou até mesmo a exploração do trabalho infantil e adulto, sem contar no grande uso de água como matéria-prima, que, segundo a ONU, estimasse que dois terços do mundo irá sofrer problemas de escassez hidráulica até 2025. 

Muitas vezes algumas marcas caem em contradição ao anunciar um único produto green porém ter uma coleção de cosméticos inteira que não é biodegradável ou que ao utilizar algum elemento na pré-produção, prejudicou o meio ambiente. Essa apropriação do falso discurso sustentável chama-se Greenwashing. Para a diminuição do Greenwashing, temos a ajuda do Fashion Revolution – movimento criado com o intuito de tornar a moda mais transparente e conscientizando sobre o verdadeiro custo da moda e seu impacto no mundo em todas as fases do processo de produção e consumo após a tragédia do desabamento do Edifício Rana Plaza em Bangladesh que causou a morte de 1.134 trabalhadores e feriu mais de 2.500 vítimas que viviam em condições de trabalho análogas à escravidão para marcas globais em 2013, e atua em mais de 100 países, incluindo o Brasil, desde 2014 – que divulga anualmente o Índice de Transparência da Moda Brasil com uma análise de 40 grandes marcas varejistas do mercado brasileiro, classificados de acordo com a quantidade de informações disponibilizadas sobre suas políticas, práticas e impactos sociais e ambientais, ajudando-nos a saber sobre como as marcas estão se posicionando na sociedade, tendo uma visão ampla da sua colaboração com o meio ambiente e transparência. 

As novidades e grandes tendências do mercado Green Beauty em 2020 foram as embalagens Carbono Neutro, pasta de dente verde/vegetal e produtos com Aloe Vera. 

Confira algumas marcas veganas que são aclamadas pelo público no quesito sustentabilidade: 

  • Face it
  • Two one one two
  • Dalla
  • Care Natural Beauty 
  • Simple Organic