Preenchimento facial não é brincadeira

04 maio, 2017

O uso de preenchedores como o ácido hialurônico para rejuvenescimento facial tem passado por um aumento considerável de aplicações nos últimos anos. Isso faz com que as complicações decorrentes do procedimento fiquem mais evidentes. Segundo o dermatologista e especialista em harmonização facial Ivan Rollemberg, o índice de efeitos adversos nestes procedimentos é de aproximadamente 5%. Felizmente, a maioria das reações adversas é leve e transitória.

Como em qualquer intervenção cirúrgica, o preenchimento facial exige conhecimento profundo sobre a tecnologia usada, sua interação com os tecidos e os potenciais efeitos adversos. “Isso é fundamental para maximizar o benefício do paciente e evitar problemas sérios”, diz o médico.

As complicações podem ser divididas em imediatas, precoces ou tardias, conforme o tempo de evolução. O efeito colateral acontece quando o preenchedor é posicionado muito superficialmente, resultando em uma coloração azul-acinzentada na pele.

De acordo com Rollemberg, a ocorrência de morte por necrose é rara. Ela é causada pela interrupção do suprimento vascular a determinada área por compressão, injuria ou obstrução dos vasos.

Embora não seja possível impedir todos os episódios de oclusão vascular, vários cuidados devem ser tomados para minimizar o risco, segundo o dermatologista. As cânulas são muito seguras, no entanto as de menor diâmetro podem lesar o vaso assim como a agulha. Ambas podem ser utilizadas mas com maior cautela.

“As cânulas finas vêm sendo questionadas pela possibilidade de perfuração e conseqüente oclusão parcial ou total da luz do vaso, ou ainda pela compressão por grande quantidade injetada”, afirma o médico. Ele também recomenda pequenos volumes em cada sessão. Se o resultado não puder ser alcançado com uma quantidade razoável, o paciente deve retornar uma a duas semanas após a aplicação para correção adicional.

Para Rollemberg, o preenchedor perfeito ainda não foi descoberto, embora os produtos disponíveis sejam numerosos e variados. Alguns deles podem parecer menos arriscados do que outros, mas todos são capazes de provocar reações adversas, de acordo com o dermatologista. Agentes que se degradam em meses, como colágeno, ácido hialurônico e agarose gel podem resultar em complicações, mas geralmente desaparecem espontaneamente em um período de tempo que varia.

Outros materiais de preenchimento podem dar origem a reações adversas graves e mostram pouca ou nenhuma tendência de melhora espontânea. Os problemas podem aparecer vários anos após as injeções, quando o paciente não lembra que o produto foi injetado e o tratamento é ineficaz. “Às vezes, a excisão cirúrgica do agente injetado é a única terapêutica possível, com resultados cosméticos pobres”, conclui.

E para qualquer tipo de procedimento deve sempre procurar um especialista com experiência.

Clínica Rollemberg 
Rua Rubião Júnior, 3042 – São José do Rio Preto 
(17) 3232-8573 
Dr. Ivan Rollemberg 

Posts relacionados

Deixe uma resposta