La Dolce Vita e o Hotel Eden

4

Texto por: Maurício de Souza

Existe uma relação importantíssima entre o Hotel Eden e o fenômeno “La Dolce Vita”. Entender essa cumplicidade ajuda a compreender melhor a cidade de Roma e o estilo de vida dos italianos. A Itália, por volta dos anos 50, acabara de sair do fascismo e da Segunda Guerra Mundial. Após anos de tristeza, de repressão, de falta de esperança e de rígidas leis impostas pela Igreja Católica, La Dolce Vita trouxe ares libertinos, ventos de alegria e um abraço ao superficial, assim como é a vida todos os dias.

É a época da criação da Vespa, da FIAT 500 e também do “boom” econômico no país.

Foto: Dissolve

O início da Dolce Vita começa simbolicamente no dia 5 de novembro de 1958, data da festa de aniversário da condessa Olghina de Robillant, no restaurante Rugantino, na zona de Trastevere. No final da festa, a dançarina turca-armênia Aïché Nana realizou um striptease, cujas fotos publicadas no semanário L’Espresso, escandalizaram a cidade. Nesta festa estavam todos os elementos necessários que emergiriam, como típicos da Dolce Vita: a presença de jornalistas, que mais tarde seriam personagens importantes na obra “La Dolce Vita”, do diretor de cinema Federico Fellini, fotógrafos, personagens da alta sociedade e as atrizes Anita Ekberg e Laura Betti.

La Dolce Vita significa “A vida doce”, ou seja, um estilo de vida equilibrado que nos proporciona felicidade, satisfação e prazer. Ela está presente no cotidiano dos italianos, seja na arte, na forma de se expressar, na gastronomia, na maneira de ser ou até no modo de se vestir. Existem algumas regras necessárias para viver La Dolce Vita, para os italianos o importante é optar por um luxo despretensioso.

Segundo a Diretora de Estilo, Giovanna Prestini, da “La Bottega di Mariella”, do Hotel L’Albereta em Erbusco, na Itália, o luxo não é comprar dez pares de sapatos de uma vez só. É comprar um par, mas que seja perfeito. Segundo Giovanna, “o luxo não precisa ser exibido, porém que seja reconhecível em milhares de pequenos detalhes: no artesanato de um belo cashmere, no corte perfeito de uma peça de roupa, no charme de um perfume criado por um ‘nariz” extraordinário ou na preciosidade de uma peça única de joalheria, porque é feita à mão”.

Viver La Dolce Vita significa fazer aquilo que mais gostamos. Ler um livro, ter tempo para os amigos ou sair para caminhar e praticar esportes, em suma, fazer aquilo que te faz bem. O tempo de vida que temos é limitado, portanto, precisamos aproveitá-lo da melhor maneira possível. E isso os italianos sabem fazer muito bem. Viva novas experiências. Viajar é a melhor maneira para expandir nossos horizontes. Quando viajamos, o modo de ver as coisas mudam, exploramos coisas e lugares novos e vemos o mundo de um modo diferente. Para os italianos, as férias do mês de agosto são importantes e sempre que aparece um feriado longo, vão à praia, ao lago, à uma casa de campo ou à montanha.

Caminhe e aprecie e a paisagem. Os italianos amam “fare una passeggiata” (dar uma voltinha). Eles não correm até porque não é elegante. Fazendo uma caminhada se tem mais tempo para apreciar os monumentos, as lojas, a arquitetura dos lugares e tantas outras coisas lindas que a Itália pode mostrar. E também um momento único para conhecer pessoas.

Coliseu – Roma

Praça Navona – Roma

Coma devagar. Na Itália, o funcionário do restaurante jamais trará a conta antes de o cliente terminar a refeição. É considerado rude. Passar duas horas comendo e conversando é normal. Um almoço começa com um “antipasto”, que pode ser um prato de frios e queijos, logo em seguida o “primo piatto”, que pode ser uma sopa ou uma massa e logo um “secondo piatto”, que pode ser carne ou peixe. Para finalizar, uma sobremesa, um café expresso e um licor como digestivo.

Hotel Eden, Roma

Com apenas 98 quartos (reduzidos de 121 durante a restauração de 18 meses), o Hotel Eden tem todo o estilo e a presença da Belle Époque, o que pode se esperar de um hotel inaugurado em 1889. Desde o curvo dossel de ferro e vidro em estilo Art Nouveau sobre a entrada principal até os tetos altos dos quartos, o edifício é um verdadeiro sonho.

Localizado perto da Via Veneto, considerada umas das mais famosas, elegantes e caras ruas da Itália, ela é de extrema importância, pois durante o período da Dolce Vita, era onde se encontravam os bares e os clubes e por onde desfilavam as pessoas mais bonitas e elegantes da cidade e das escadas da Piazza di Spagna, ou seja, o hotel tem uma localização privilegiada!

Os andares superiores têm vista para os fundos da Igreja Trinitá dei Monti, os jardins da Villa Medici, o Palazzo del Quirinale e para o Vaticano.

Igreja Trinitá dei Monti

A entrada do hotel já é triunfal; os balcões de atendimento da recepção e do concierge, assim como o piso de entrada da propriedade sāo em puro mármore. O lobby é o lugar para ver e ser visto apesar que não se vê muita gente como na maioria dos lobbys de grandes hotéis.

Por ser um hotel de discrição extrema, ele é a escolha de todas as celebridades que passam por Roma. Nos corredores que levam até o terraço, é possível ver fotos de personagens importantes como Giorgio Armani, Sophia Loren, Nicole Kidman, Tina Turner, Audrey Hepburn, Madonna, Matt Damon e Harrison Ford, entre outros.

Um outro lugar interessante é a libreria. Localizada a poucos passos do lobby, a libreria tem um bar escondido atrás de uma parede de madeira com as melhores marcas de bebidas nacionais e internacionais.

À noite, é possível tomar uma taça de prosecco ou um Aperol Spritz enquanto se escuta um pianista tocar as mais belas canções. O hotel foi renovado sob a supervisão do designer de interiores francês Bruno Moinard, que teve a brilhante idéia de reter e recuperar o espirito da Belle Époque do século XIX, mantendo o estilo do hotel sem se deixar influenciar pelo modismo de obter um hotel com ares muito modernos.

Pés-direitos altíssimos,  grandes janelas com moldura com vista de tirar o fôlego, belíssimas cortinas de seda damascada veneziana, luminárias em vidro de Murano, móveis personalizados e roupas de cama brancas e ricas da marca Pedersoli embelezam o cenário. Para esse trabalho árduo, o designer utilizou os melhores artesãos em todos os campos para que o hotel se tornasse o lugar mais desejado em Roma para se hospedar. As cores dos quartos e suítes apresentam assim uma decoração contemporânea e uma relaxante paleta de tons pastéis.



Para o hospede exigente, tudo nos aposentos é controlado através do Ipad, cujo recursos incluem a temperatura do ambiente e iluminação. Para os que gostam de cinema, os aposentos têm o sistema Bang & Olufsen apesar de livros de arte, arquitetura e design estarem disponíveis para os clientes.

O banheiro é um dos mais belos exemplares de luxo simplificado; todo revestido em mármore com chuveiro com efeito de chuva, banheira de imersão profunda, pias separadas com acessórios dourados de extremo bom gosto e toilette separado. As amenidades sāo da famosa casa Bottega Veneta. No banheiro não falta absolutamente nada e lindos são os armários em painéis de papel de parede vintage.

Comer no Hotel Eden é uma perdição. O hotel tem dois restaurantes, o La Terraza com uma estrela Michelin e Il Giardino. O restaurante em destaque é II Giardino que está aberto o dia inteiro e onde é possível pedir café da manhã até altas horas da noite. Com uma vista espetacular para o centro de Roma, um serviço impecável, um terraço com lâmpadas aquecedoras e mantas para evitar o frio, esse local é fenomenal.

O tartare de atum e abacate, a massa com lagosta, o badejo com um molho leve de tomate e batatas ao forno levam qualquer um ao delírio. Para terminar, a torta de pera com sorbet de baunilha não pode faltar na hora da escolha da sobremesa.

A primeira refeição do dia é feita no restaurante Il Giardino também. São tantas as delícias que é impossível descrever tudo o que  oferecem. O menu é buffet chic com pães, croissants, queijos, frutas, frios e muitas outras iguarias como o salmão defumado norueguês e o queijo Stracchino. É possível pedir ovos em diferentes estilos no menu à la carte também. Até prosecco é servido no café da manhã!

Após um dia intenso dia de passeios e compras na Cidade Eterna, recomenda-se uma massagem shiatsu no Spa. Com salas de terapia para no máximo quatro pessoas, o Spa tem produtos de Sonya Dakar e Officina Profumo Farmaceutica di Santa Maria Novella. Com uma série de vários tratamentos corporais e faciais e poucos quartos para tratamentos, o cliente se sente como se o Spa fosse privativo só para ele. Todas as cabines têm banheiro privativo com duchas e o design do local nos transporta aos antigos banhos termais da Roma Antiga.

O serviço de quarto, para quem estiver indo embora muito cedo, não deixa nada a desejar. Tudo impecavelmente servido com serviço de prata e toalhas de linho, dá a impressão de se estar em um verdadeiro restaurante. E para finalizar, mimos contínuos são deixados na suíte durante a estadia como um coliseu feito de chocolate e uma garrafa de prosecco Cà del Bosco dos prestigiosos vinhedos da região de Franciacorta, belíssimas orquídeas e uma pizza feita com as iniciais do hóspede.

Por fim, tente se deixar levar pelo fenômeno La Dolce Vita e se a hospedagem for no hotel Eden, a estadia será ainda mais espetacular.

Para mais informações:
www.dorchestercollection.com
www.albereta.it